domingo, 10 de agosto de 2008

Bis!

Não há revolta que uma boa música não cure. Ao saber que se aproximava o show da Mônica Salmaso fiz questão de estar bem revoltada, bem brava, bem inquieta. Foi nos versos “que horas você volta” que a voz mais divina que já ouvi me venceu. Lágrimas quando ouço a música dela e algo está fora do lugar dentro de mim são a coisa mais natural, mais comum! A música vai salvar o homem. Ou vai me salvar. Sem generalizar, né? A música vai me salvar!
Não consigo descrever o que provoca em mim uma boa música. Uma voz afinada acompanhada de instrumentos em sintonia. É como se me devolvesse a capacidade de ser gente, de sonhar, de querer ser mais. É batata! Eu posso estar completamente sem rumo. A música me devolve pra mim. E a Mônica, vamos combinar! O que é aquela voz?
Pois bem, fui na quarta-feira, aqui em Rio Preto. Repeti a dose no sábado, em Ribeirão Preto. Nunca é demais o que é bom! E não é questão de ser tiete. Não é, eu não sou disso! É só pra arrumar força pra me devolver cada vez mais pra mim. Pq as pessoas merecem isso!

2 comentários:

Alexandre Gil disse...

Concordo em tudo contigo. Segundo Santo Agostinho, quem canta, reza duas vezes. Nao podemos esquecer q o q era braço direito de Deus nos céus era missionario da musica, entao, precisamos observar e discernir antes de se entregar.

qdo quiser toco um thubaba pra ti, conhece?

bjao

Saldanha disse...

Verdade, o que você escreveu é muito rela.
Sabe que a música já fez e continua fazendo muita diferença na minha vida, Martin Valverde que o diga.
Paz e Bem,